Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro

I - Operações de crédito do sistema financeiro

O crédito total do sistema financeiro, incluindo operações com recursos livres e direcionados, totalizou R$3.047 bilhões em agosto, com retrações de 0,1% no mês e 2,2% em doze meses (-0,9% e -2,1%, respectivamente, em julho). A redução mensal resultou do declínio de 1% na carteira de pessoas jurídicas, saldo de R$1.437 bilhões, e do aumento de 0,7% na de pessoas físicas, que atingiu R$1.610 bilhões. A relação crédito/PIB declinou 0,1 p.p. no mês, situando-se em 47,1%, comparativamente a 50,4% em agosto de 2016.

O crédito livre atingiu R$1.527 bilhões (+0,3% no mês e -1,5% em doze meses). A carteira de empresas permaneceu estável no mês, com saldo de R$699 bilhões. No crédito às famílias, o saldo situou-se em R$828 bilhões (+0,6% no mês), destacando-se, no mês, o crédito consignado, os financiamentos de veículos e o cartão de crédito à vista.

O crédito direcionado somou R$1.520 bilhões (-0,6% no mês e -2,9% em doze meses). As operações com pessoas físicas totalizaram R$782 bilhões (+0,7% no mês), com aumentos de 1,3% e 0,5% nos créditos rurais e imobiliários, respectivamente. O crédito a pessoas jurídicas recuou 1,9% no mês, para R$738 bilhões, refletindo maiores liquidações e menores concessões de financiamentos com recursos do BNDES, além de liquidações no crédito rural.

Considerados os segmentos de atividade econômica dos tomadores de crédito, destacaram-se as retrações no comércio (-3,9%, saldo de R$238 bilhões), na indústria de construção (-2,4%, R$89 bilhões) e em serviços industriais de utilidade pública (-0,8%, R$202 bilhões). Regionalmente, consideradas as operações acima de R$1 mil, foram observadas retração do saldo alocado no Sudeste (-0,3%, R$1.605 bilhões) e expansões nas demais regiões, principalmente no Sul (+0,4%, R$549 bilhões) e no Nordeste (+0,2%, R$399 bilhões).

 

Taxas de juros e inadimplência

O custo médio das operações de crédito ativas, aferido pelo Indicador de Custo do Crédito (ICC), recuou 0,2 p.p. em agosto, situando-se em 22,1% a.a. (-0,8 p.p em doze meses). No crédito livre, o indicador recuou 0,4 p.p. no mês e 2,3 p.p. em doze meses, situando-se em 36,7%, permanecendo estável em 8,9% a.a. no crédito direcionado.

A taxa média de juros, compreendendo os segmentos com recursos livres e direcionados, alcançou 28,5% a.a. em agosto (-0,5 p.p. no mês e -4,5 p.p. em doze meses). No crédito livre, a taxa média recuou 1,0 p.p. no mês, situando-se em 45,6% a.a.; no crédito direcionado, redução de 0,1 p.p., para 10% a.a.

No crédito às famílias, a taxa média situou-se em 35,6% a.a. (-0,9 p.p no mês e -6,6 p.p. em doze meses). Nas contratações livres, a taxa declinou 1,5 p.p., para 62,3% a.a., destacando-se os recuos em cheque especial (-4 p.p.) e crédito pessoal não consignado (-2,8 p.p.). No direcionado, a taxa média declinou 0,5 p.p., para 8,5% a.a., com reduções de 0,4 p.p. no crédito rural e de 0,7 p.p. nos financiamentos imobiliários.

A taxa de juros do cartão de crédito rotativo regular recuou de 10,3% a.m., em julho, para 10,2% a.m., em agosto, mantendo a trajetória declinante observada desde o início da vigência das medidas que alteraram o funcionamento do cartão de crédito rotativo (em março de 2017 atingiram 14,9% a.m.). No cartão parcelado e no rotativo não regular, as taxas médias de juros permaneceram estáveis no mês em 8,3% a.m. e 16,2% a.m., respectivamente. Em agosto, a taxa de juros do cheque especial registrou ligeira redução, para 12,6% a.m. (de 12,7% a.m. em julho).

No crédito às empresas, a taxa média de juros atingiu 18,8% a.a. (-0,1 p.p. no mês e -3,2 p.p. em doze meses). No segmento livre, a queda de 0,9 p.p. no mês, para 24,4% a.a., refletiu reduções em capital de giro (-0,6 p.p.) e desconto de duplicatas e recebíveis (-2,5 p.p.). No crédito direcionado, a taxa alcançou 12,2% a.a. (+0,6 p.p. no mês), com alta de 0,8 p.p. nos financiamentos para investimentos com recursos do BNDES.

O spread médio das contratações com recursos livres e direcionados situou-se em 21,3 p.p. (-0,2 p.p. no mês e -2,0 p.p. em doze meses), refletindo o recuo nas operações com as famílias (-0,4 p.p., para 28,6 p.p.). No crédito às empresas, o indicador alcançou 11,5 p.p. (+0,1 p.p. no mês). No crédito livre, o spread declinou 0,7 p.p., para 36,9 p.p., enquanto, no direcionado, aumentou 0,3 p.p., para 4,5 p.p. em agosto.

A taxa de inadimplência permaneceu estável pelo terceiro mês consecutivo em 3,7%. A estabilidade se verificou tanto nos créditos às famílias (4,0%) e às empresas (3,4%), quanto nos segmentos livre (5,6%) e direcionado (1,8%).

 

II - Evolução dos agregados monetários

A média dos saldos diários da base monetária totalizou R$249,9 bilhões em agosto, com retração de 0,6% no mês e acréscimo de 5,4% em doze meses. A variação mensal refletiu o declínio de 0,8% no saldo do papel-moeda emitido e a ampliação de 0,3% na posição das reservas bancárias.

Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da base monetária, sobressaíram, sobretudo, as operações com títulos públicos federais, com impacto contracionista de R$7,2 bilhões (compras líquidas de R$29 bilhões no mercado secundário e colocações líquidas de R$36,2 bilhões no mercado primário) e as operações do Tesouro Nacional, que implicaram expansão de R$3,8 bilhões.

O saldo médio diário dos meios de pagamento restritos (M1) atingiu R$313,7 bilhões em agosto, após decréscimo de 1,8% no mês, decorrente das reduções de 3,1% nos depósitos à vista e de 0,9% no papel-moeda em poder do público. Em doze meses, o M1 cresceu 4,1%.

O saldo dos meios de pagamento no conceito M2, que corresponde ao M1 mais depósitos de poupança e títulos emitidos por instituições financeiras, totalizou R$2,4 trilhões em agosto (avanço de 0,6% no mês). Esse resultado foi determinado pelas expansões de 1,1% nos títulos privados (saldo de R$1,4 trilhão) e de 0,8% nos depósitos de poupança (R$690,4 bilhões). No mês, ocorreram captações líquidas de R$2,1 bilhões na poupança e de R$14 bilhões nos depósitos a prazo.

O M3, que compreende o M2, as quotas de fundos de renda fixa e os títulos públicos, que lastreiam as operações compromissadas entre o público e o setor financeiro, elevou-se 1,6% no mês, para R$5,6 trilhões, refletindo o acréscimo de 2,4% no saldo das quotas de fundos, que somou R$3,1 trilhões. No mesmo período, o saldo de operações compromissadas recuou 2,4%, situando-se em R$89 bilhões. O M4, que compreende o M3 e os títulos públicos de detentores não financeiros, cresceu 1,3% no mês e 9% em doze meses, totalizando R$6,5 trilhões.

Fonte Banco Central

Exibições: 33

Comentar

Você precisa ser um membro de Corresponda para adicionar comentários!

Entrar em Corresponda

Mensagens de blog

INSS disponibiliza novos serviços pela internet

Postado por Modera em 17 outubro 2017 às 10:00 0 Comentários

Para isso, 3,2milhões de usuários já se cadastraram no site e não precisam ir ao INSS para obter esses documentos.

 

alagoas24horas

Os…

Continuar

Cartilha REFORMA TRABALHISTA - O QUE MUDOU?

Postado por Modera em 16 outubro 2017 às 10:30 0 Comentários

 

Dessa forma, o Sebrae-SP, sabedor da importância que as MPEs representam nas relações de trabalho, desenvolveu essa cartilha para orientar você, empreendedor responsável por um pequeno…

Continuar

Ranking de Instituições por Índice de Reclamações

Postado por Modera em 16 outubro 2017 às 10:00 0 Comentários

Ranking de Bancos e Financeiras reclamações contra instituições financeiras referente ao terceiro trimestre de 2017.

 

É só…

Continuar

CONSIGNADO - GOLPE DO COLCHÃO MILAGROSO, quase faz um nova vitima com R$24 mil!

Postado por Modera em 11 outubro 2017 às 14:17 0 Comentários

O Jornal do Sudoeste destacou ontem uma ação rápida que evitou mais um golpe do colchão milagroso, nesse contexto o crédito consignado é parte fundamental.

 …

Continuar

© 2017   Criado por Modera.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço