Política Monetária e Operações de Crédito do Sistema Financeiro

I - Operações de crédito do sistema financeiro

O crédito total do sistema financeiro, incluindo operações com recursos livres e direcionados, totalizou R$3.047 bilhões em agosto, com retrações de 0,1% no mês e 2,2% em doze meses (-0,9% e -2,1%, respectivamente, em julho). A redução mensal resultou do declínio de 1% na carteira de pessoas jurídicas, saldo de R$1.437 bilhões, e do aumento de 0,7% na de pessoas físicas, que atingiu R$1.610 bilhões. A relação crédito/PIB declinou 0,1 p.p. no mês, situando-se em 47,1%, comparativamente a 50,4% em agosto de 2016.

O crédito livre atingiu R$1.527 bilhões (+0,3% no mês e -1,5% em doze meses). A carteira de empresas permaneceu estável no mês, com saldo de R$699 bilhões. No crédito às famílias, o saldo situou-se em R$828 bilhões (+0,6% no mês), destacando-se, no mês, o crédito consignado, os financiamentos de veículos e o cartão de crédito à vista.

O crédito direcionado somou R$1.520 bilhões (-0,6% no mês e -2,9% em doze meses). As operações com pessoas físicas totalizaram R$782 bilhões (+0,7% no mês), com aumentos de 1,3% e 0,5% nos créditos rurais e imobiliários, respectivamente. O crédito a pessoas jurídicas recuou 1,9% no mês, para R$738 bilhões, refletindo maiores liquidações e menores concessões de financiamentos com recursos do BNDES, além de liquidações no crédito rural.

Considerados os segmentos de atividade econômica dos tomadores de crédito, destacaram-se as retrações no comércio (-3,9%, saldo de R$238 bilhões), na indústria de construção (-2,4%, R$89 bilhões) e em serviços industriais de utilidade pública (-0,8%, R$202 bilhões). Regionalmente, consideradas as operações acima de R$1 mil, foram observadas retração do saldo alocado no Sudeste (-0,3%, R$1.605 bilhões) e expansões nas demais regiões, principalmente no Sul (+0,4%, R$549 bilhões) e no Nordeste (+0,2%, R$399 bilhões).

 

Taxas de juros e inadimplência

O custo médio das operações de crédito ativas, aferido pelo Indicador de Custo do Crédito (ICC), recuou 0,2 p.p. em agosto, situando-se em 22,1% a.a. (-0,8 p.p em doze meses). No crédito livre, o indicador recuou 0,4 p.p. no mês e 2,3 p.p. em doze meses, situando-se em 36,7%, permanecendo estável em 8,9% a.a. no crédito direcionado.

A taxa média de juros, compreendendo os segmentos com recursos livres e direcionados, alcançou 28,5% a.a. em agosto (-0,5 p.p. no mês e -4,5 p.p. em doze meses). No crédito livre, a taxa média recuou 1,0 p.p. no mês, situando-se em 45,6% a.a.; no crédito direcionado, redução de 0,1 p.p., para 10% a.a.

No crédito às famílias, a taxa média situou-se em 35,6% a.a. (-0,9 p.p no mês e -6,6 p.p. em doze meses). Nas contratações livres, a taxa declinou 1,5 p.p., para 62,3% a.a., destacando-se os recuos em cheque especial (-4 p.p.) e crédito pessoal não consignado (-2,8 p.p.). No direcionado, a taxa média declinou 0,5 p.p., para 8,5% a.a., com reduções de 0,4 p.p. no crédito rural e de 0,7 p.p. nos financiamentos imobiliários.

A taxa de juros do cartão de crédito rotativo regular recuou de 10,3% a.m., em julho, para 10,2% a.m., em agosto, mantendo a trajetória declinante observada desde o início da vigência das medidas que alteraram o funcionamento do cartão de crédito rotativo (em março de 2017 atingiram 14,9% a.m.). No cartão parcelado e no rotativo não regular, as taxas médias de juros permaneceram estáveis no mês em 8,3% a.m. e 16,2% a.m., respectivamente. Em agosto, a taxa de juros do cheque especial registrou ligeira redução, para 12,6% a.m. (de 12,7% a.m. em julho).

No crédito às empresas, a taxa média de juros atingiu 18,8% a.a. (-0,1 p.p. no mês e -3,2 p.p. em doze meses). No segmento livre, a queda de 0,9 p.p. no mês, para 24,4% a.a., refletiu reduções em capital de giro (-0,6 p.p.) e desconto de duplicatas e recebíveis (-2,5 p.p.). No crédito direcionado, a taxa alcançou 12,2% a.a. (+0,6 p.p. no mês), com alta de 0,8 p.p. nos financiamentos para investimentos com recursos do BNDES.

O spread médio das contratações com recursos livres e direcionados situou-se em 21,3 p.p. (-0,2 p.p. no mês e -2,0 p.p. em doze meses), refletindo o recuo nas operações com as famílias (-0,4 p.p., para 28,6 p.p.). No crédito às empresas, o indicador alcançou 11,5 p.p. (+0,1 p.p. no mês). No crédito livre, o spread declinou 0,7 p.p., para 36,9 p.p., enquanto, no direcionado, aumentou 0,3 p.p., para 4,5 p.p. em agosto.

A taxa de inadimplência permaneceu estável pelo terceiro mês consecutivo em 3,7%. A estabilidade se verificou tanto nos créditos às famílias (4,0%) e às empresas (3,4%), quanto nos segmentos livre (5,6%) e direcionado (1,8%).

 

II - Evolução dos agregados monetários

A média dos saldos diários da base monetária totalizou R$249,9 bilhões em agosto, com retração de 0,6% no mês e acréscimo de 5,4% em doze meses. A variação mensal refletiu o declínio de 0,8% no saldo do papel-moeda emitido e a ampliação de 0,3% na posição das reservas bancárias.

Entre os fluxos mensais dos fatores condicionantes da base monetária, sobressaíram, sobretudo, as operações com títulos públicos federais, com impacto contracionista de R$7,2 bilhões (compras líquidas de R$29 bilhões no mercado secundário e colocações líquidas de R$36,2 bilhões no mercado primário) e as operações do Tesouro Nacional, que implicaram expansão de R$3,8 bilhões.

O saldo médio diário dos meios de pagamento restritos (M1) atingiu R$313,7 bilhões em agosto, após decréscimo de 1,8% no mês, decorrente das reduções de 3,1% nos depósitos à vista e de 0,9% no papel-moeda em poder do público. Em doze meses, o M1 cresceu 4,1%.

O saldo dos meios de pagamento no conceito M2, que corresponde ao M1 mais depósitos de poupança e títulos emitidos por instituições financeiras, totalizou R$2,4 trilhões em agosto (avanço de 0,6% no mês). Esse resultado foi determinado pelas expansões de 1,1% nos títulos privados (saldo de R$1,4 trilhão) e de 0,8% nos depósitos de poupança (R$690,4 bilhões). No mês, ocorreram captações líquidas de R$2,1 bilhões na poupança e de R$14 bilhões nos depósitos a prazo.

O M3, que compreende o M2, as quotas de fundos de renda fixa e os títulos públicos, que lastreiam as operações compromissadas entre o público e o setor financeiro, elevou-se 1,6% no mês, para R$5,6 trilhões, refletindo o acréscimo de 2,4% no saldo das quotas de fundos, que somou R$3,1 trilhões. No mesmo período, o saldo de operações compromissadas recuou 2,4%, situando-se em R$89 bilhões. O M4, que compreende o M3 e os títulos públicos de detentores não financeiros, cresceu 1,3% no mês e 9% em doze meses, totalizando R$6,5 trilhões.

Fonte Banco Central

Exibições: 35

Comentar

Você precisa ser um membro de Corresponda para adicionar comentários!

Entrar em Corresponda

Mensagens de blog

BS2: Nutanix para hiperconvergência

Postado por Corresponda em 15 dezembro 2017 às 11:50 0 Comentários

O Banco BS2, antigo Banco Bonsucesso, adotou a Enterprise Cloud Nutanix como solução de hiperconvergência e conectividade para a nova operação de meios de pagamentos da instituição financeira.

 

Com o projeto, a empresa registrou…

Continuar

POLÍCIA PRENDE ESTELIONATÁRIO QUE FEZ EMPRÉSTIMO DE R$ 8 MIL COM DOCUMENTO FALSO

Postado por Corresponda em 12 dezembro 2017 às 10:05 0 Comentários

Aos militares, o suspeito afirmou que um homem chamado “Rafael” é o responsável por emitir os documentos falsos, mas não revelou mais detalhes. Francisco foi levado para a central de polícia e ficou a disposição da justiça.…

Continuar

​ Copom reduz a taxa Selic para 7,00% ao ano

Postado por Corresponda em 7 dezembro 2017 às 9:30 0 Comentários

O Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 7,00% a.a., sem viés. A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita com as…

Continuar

Aniversários

Aniversários de Hoje

Aniversários de Amanhã

© 2017   Criado por Modera.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço